• denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • Sobre
  • MPT obtém liminar contra Assaí Atacadista para combater assédio moral
  • Empresas de transporte rodoviário são condenadas em R$ 500 mil por dispensas irregulares
  • MPT expede recomendação a vereador por uso de mão de obra infantil
  • MPT participa de audiência pública para debater igualdade salarial entre homens e mulheres
  • MPT destina R$ 132 mil para reforma do Conselho Tutelar do Pedra 90
  • MPT oferece curso a distância gratuito para conselheiros tutelares
  • Dona do Comper é condenada a pagar R$ 5 milhões por descumprir normas trabalhistas
  • MPT em Mato Grosso participa de Semana Nacional dos Alimentos Orgânicos
  • MPT promove capacitação para membros do Conselho Tutelar de Vera-MT
  • Estagiários acompanham Sessão Judicial no TRT de Mato Grosso
  • MPT lança campanhas de combate ao trabalho infantil e convoca sociedade
  • Lançada campanha sobre direitos das gestantes no trabalho
  • Várzea Grande assina acordo para melhoria das condições de trabalho do Pronto Socorro
  • Assaí Atacadista é condenado por perseguir, humilhar e xingar funcionários
  • MPT em Rondonópolis: divulgado edital para cadastro de entidades que poderão ser beneficiadas com destinações

MPT obtém liminar contra Assaí Atacadista para combater assédio moral

17/11/2017 - O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) obteve decisão favorável em ação civil pública movida em face de Sendas Distribuidora S/A – Assaí Atacadista. Na liminar, a juíza substituta do Trabalho Dayana Lannes Andrade, da 3ª Vara do Trabalho de Cuiabá, determinou o cumprimento de várias medidas a fim de combater qualquer conduta caracterizadora de assédio moral.

Com a decisão, a empresa deve abster-se de submeter seus empregados a qualquer forma de situações humilhantes, constrangedoras, vexatória ou que configure qualquer tipo de perseguição. Além disso, deve realizar mensalmente companhas de conscientização com o tema assédio moral, implantar programa de prevenção com consultoria de psicólogos, oferecer curso de gestão de pessoas aos trabalhadores com cargo de chefias com foco na prevenção e implantar um sistema eficaz de ouvidoria interna que possibilite a apuração das denúncias sobre o tema.

A multa é de R$ 10 mil reais por cada obrigação descumprida e por cada trabalhador prejudicado. O valor da penalidade, se houver, será destinado, a critério do MPT e do Juízo, a um fundo de direitos ligados à seara laboral ou a instituições ou programas e projetos, públicos ou privados, sem fins lucrativos, que tenham objetivos filantrópicos culturais, educacionais, científicos de assistência social ou de desenvolvimento e melhoria das condições de trabalho.

Segundo a magistrada, “as alegações do Parquet laboral são dotadas de gravidade tal que demandam a atuação jurisdicional imediata, pois o tempo de tramitação do feito poderá colocar em risco o direito material alegado, sendo assim, entendo que os elementos trazidos com a inicial justificam a concessão da tutela provisória de urgência.”.

O MPT-MT recebeu acórdão do Tribunal Regional do Trabalho de 23ª Região (TRT-MT) no qual ficou comprovada a ocorrência de agressão verbal da ré em relação aos seus empregados. Após pesquisa nas demandas judiciais do Tribunal, observou-se que a conduta que configura assédio moral é prática habitual da empresa, que pode ser observada nos municípios de Cuiabá e Várzea Grande desde a inauguração de sua primeira loja na Capital.

Diante da gravidade, da ausência de interesse em firmar Termo de Ajuste de Conduta (TAC), e da permanência da situação no tempo, o MPT ajuizou a ação civil pública para assegurar os direitos das vítimas e assegurar a responsabilização do ofensor a fim de evitar a continuação da prática ilícita.

Conforme salientou o procurador do Trabalho Antônio Pereira Nascimento Junior, “ao expor seus empregados a um meio ambiente de trabalho extremamente hostil e tenso, com recorrentes situações vexatórias, constrangedoras e humilhantes, a Ré sonega a estes trabalhadores a dignidade como pessoa humana e a paz de espírito, instalando nos mesmos o medo, o pavor de adentrar no ambiente de trabalho, e o consequente receio do desemprego e do risco de sua própria sobrevivência, ferindo de morte as regras humanitárias, e atingindo o valor social que o trabalho tem”.

O MPT ainda aguarda a análise do pedido de condenação da ré em obrigação de pagar, consistente em indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 3 milhões. "Nessas hipóteses de inequívoca gravidade, não há de se falar unicamente em reparação em favor do grupo de trabalhadores, no sentido de compensá-los pelos danos pessoais. Enseja ter-se em conta, mais propriamente, a imposição, também, ao ofensor, de uma condenação pecuniária que signifique uma penalização pela prática de conduta tão reprovável quanto ilícita, que, certamente, resultou em benefícios indevidos para si, circunstância que fere e indigna a sociedade como um todo, visando a maximização dos lucros em detrimento dos direitos dos trabalhadores", pontuou o procurador.

Processo: 0001169-56.2017.5.23.0003

Imagem: Internet

Informações: Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) 

​Contato: (65) 3613-9166 | www.prt23.mpt.mp.br | twitter: @MPT_MT | facebook: MPTemMatoGrosso

Imprimir

  • banner abnt
  • banner transparencia
  • banner pcdlegal
  • banner mptambiental
  • banner trabalholegal
  • banner radio
  • Portal de Direitos Coletivos