• denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • Notícias
  • Artigo: Chicó, a paz e a prosperidade
  • São jose
  • UrnaEletrnica
  • Forum II
  • Forum II
  • Instituições são contra proposta de extinção ou fusão do Ministério do Trabalho
  • Procurador-Geral do Trabalho receberá Comenda da Ordem São José Operário no TRT-MT
  • MPT obtém liminar para impedir frigorífico de demitir trabalhadores que participaram de greve
  • Alunos da Escola Ulisses Guimarães dão show em apresentações sobre trabalho infantil e racismo
  • MPT recomenda que empresas de Cuiabá não influenciem voto de funcionários​
  • MPT sedia reunião do Fórum Mato-Grossense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos
  • Justiça do Trabalho concede liminar em ação do MPT para coibir assédio eleitoral em empresas de Sinop
  • Usina de Jaciara é condenada em cinco ações do MPT e pagará no total R$ 1,3 mi por danos morais coletivos
  • JBS de Colíder pagará R$ 1 mi de indenização por danos morais coletivos e dumping social
  • Grupo econômico familiar de MT é condenado a pagar R$ 6 milhões por trabalho escravo
  • Prorrogadas as inscrições para o Prêmio MPT de Jornalismo 2018
  • MPT em Quadrinhos: nova edição aborda os 30 anos da Constituição
  • Trabalhadores do Ceará transportados em baú de caminhão são resgatados em Sinop
  • Hospital Regional de Colíder firma TAC com MPT e se compromete a combater assédio sexual no ambiente de trabalho
  • Frigorífico é condenado a construir creche e a pagar R$ 500 mil por danos morais coletivos
  • Nota de Repúdio ao Pacote do Veneno
  • Resultado de pesquisa na Bacia do Juruena é divulgada em reunião do Fórum Mato-Grossense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos

Artigo: Chicó, a paz e a prosperidade

Por Leomar Daroncho*

02/06/2016 - Algumas instituições e aparatos parecem ter existido desde sempre ou, dito de outro modo, realidades instituídas junto com a civilização e, portanto, inquestionáveis. Tal pode ocorrer, numa análise sem maiores reflexões, com os princípios que orientam o Direito do Trabalho. Aí podem surgir as costumeiras críticas ao "paternalismo" em relação aos trabalhadores, ou ao suposto excesso de direitos.

Retiradas do contexto, algumas cláusulas protetivas podem ganhar contornos de exageradas, dispendiosas e sem fundamentos. E não será suficiente recorrer à teoria de Chicó, nos diálogos com João Grilo (impagáveis personagens do Auto da Compadecida, de 1955) - "Não sei, só sei que foi assim" - para justificar esse tratamento diferenciado conferido à complexa relação estabelecida num vínculo de trabalho subordinado, por normas nacionais e internacionais.

A crise estimula os discursos favoráveis à "flexibilização" dos direitos trabalhistas. São momentos em que, como já foi mais utilizado no passado, invocam-se as vantagens dos "pactos sociais" pelos quais se buscava "abrandar" circunstancialmente os direitos dos trabalhadores, vistos como custos excessivos, de forma a viabilizar a retomada do crescimento.

Na atual crise não é diferente. Rapidamente ganharam as manchetes as propostas de flexibilização, de maior permissividade à terceirização e da prevalência do negociado sobre o legislado. No nosso arranjo social, todas essas investidas conduzem ao mesmo resultado: precarização do trabalho e transferência de renda para o empregador - maior desigualdade.

Ao lado disso, em meio às notícias do acirramento da crise econômica e política, observa-se o surgimento de dados da vida real verdadeiramente preocupantes. Um deles, especialmente, liga o alerta para o agravamento do drama da desigualdade social no país. Pela primeira vez, desde 1992 - início da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio no Brasil -registrou-se a queda da renda e o incremento no quadro de desigualdade. A crise não se manifesta de forma igual para todos e está acentuando as desigualdades.

Nesse contexto, é importante recuperar a origem e os propósitos do Direito do Trabalho. O Direito do Trabalho é relativamente recente. Tem seu marco original na tragédia humana e social do início do século passado, como resposta aos exageros na exploração dos trabalhadores, cenário de revoltas que comprometiam a prosperidade dos investimentos e da produção.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) foi criada em 1919, como parte do Tratado de Versalhes, que pôs fim à Primeira Guerra Mundial. Fundada na convicção básica de que a paz universal e permanente somente pode estar baseada na justiça social, a Organização foi gestada num cenário capitalista, demarcando a relevância de um ambiente propício à prosperidade que, por sua vez, viabilizaria a produção e os investimentos.

Essa preocupação foi reafirmada pela OIT na década de 1940. A Carta das Nações Unidas (1946) e a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) assentaram o princípio de que a paz permanente só pode estar baseada na justiça social. Consolidaram-se, assim, quatro ideias fundamentais, que constituem valores e princípios básicos da OIT: I) o trabalho deve ser fonte de dignidade; II) o trabalho não é uma mercadoria; III) a pobreza, em qualquer lugar, é uma ameaça à prosperidade de todos e que todos têm o direito de perseguir o seu bem-estar material em condições de liberdade e dignidade; e IV) segurança econômica e igualdade de oportunidades.

Ao comemorar o seu 50º aniversário, em 1969, a OIT recebeu o Prêmio Nobel da Paz, oportunidade em que o Presidente do Comitê do Prêmio Nobel destacou que "a OIT tem uma influência perpétua sobre a legislação de todos os países", devendo ser considerada "a consciência social da humanidade".

O momento recomenda reflexão à luz de nossa trajetória histórica. O Direito do Trabalho, com sua pauta de valores, está a serviço da ordem econômica vigente e é fruto de uma experiência social dolorosa, estabelecendo um piso civilizatório mínimo que interessa também aos mercados.

A análise descontextualizada de determinados institutos pode induzir a raciocínios tão falsos quanto mágicos, como o de que a terceirização criaria empregos, quando se sabe que ela apenas transforma os empregos existentes em mais precários. Para as histórias que não são críveis, nem verossímeis, continuemos apreciando as peripécias dos personagens criados pelo genial Ariano Suassuna.

*LEOMAR DARONCHO é Procurador do Trabalho em Mato Grosso

Artigo originalmente publicado no Jornal A Gazeta de 23/05/2016

Foto de capa: Blog Desejo Literário

Tags: terceirização; direito do trabalho; auto da compadecida

Imprimir

  • banner abnt
  • banner transparencia
  • banner pcdlegal
  • banner mptambiental
  • banner trabalholegal
  • banner radio
  • Portal de Direitos Coletivos