JBS pagará R$ 3 milhões de indenização por descumprimento de normas trabalhistas

Depoimentos e fotos comprovam que a empresa chegou a servir comida estragada e que uma mosca-varejeira havia sido encontrada em uma das marmitas dos trabalhadores da unidade de Juruena.

11/11/2016 - A JBS, maior empresa em processamento de proteína animal do mundo, firmou acordo com o Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) e deverá pagar uma indenização de R$ 3 milhões por danos morais coletivos. O acordo, homologado no dia 24 de outubro pela Justiça do Trabalho, põe fim a três ações civis públicas e uma ação cautelar ajuizadas em 2012 contra a multinacional.

Continue Lendo

Imprimir

MPT garante aprendizagem em Paranaíta e Alta Floresta em TAC com Usina Hidrelétrica São Manoel

Consórcio Constran-UTC e Empresa de Energia São Manoel S.A (EESM) também deverão adotar medidas de segurança, saúde, higiene e conforto no ambiente de trabalho.

17/10/2016 - O Consórcio Constran-UTC e a Empresa de Energia São Manoel S.A (EESM), responsáveis pela construção e operação da Usina Hidrelétrica (UHE) São Manoel, na divisa entre Mato Grosso e Pará, firmaram, no início deste mês, um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Trabalho (MPT) por meio do qual se comprometeram a manter o Programa de Aprendizes no município de Paranaíta e a estendê-lo à cidade de Alta Floresta. 

Continue Lendo

Imprimir

Município de Alta Floresta é condenado em ação do MPT e deverá pagar R$ 100 mil por danos morais coletivos

A sentença também obriga o Município a adotar uma série de medidas para garantir a saúde e a segurança de todos os seus servidores e empregados públicos no exercício das atividades laborais.

14/10/2016 - O Ministério Público do Trabalho (MPT) obteve a condenação do Município de Alta Floresta, distante 800 km de Cuiabá, em R$ 100 mil por danos morais coletivos. Pela decisão, além da regularização das condições de trabalho de todos aqueles que laboram para o ente, sejam estatutários, terceirizados ou admitidos por qualquer outro regime, o Município tem 90 dias para iniciar, concluir e comprovar a realização de processo licitatório para elaboração dos Programas de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e de Controle Médico da Saúde Ocupacional (PCMSO), os quais, apesar de obrigatórios, admitiu expressamente não possuir. A multa por descumprimento da obrigação é de R$ 5 mil por dia.

Continue Lendo

Imprimir